Wagner Pensa Hirata

Love and Bike Lifestyle

Arquivo para o mês “março, 2007”

Sangue

Imagine que é uma típica tarde de sexta – feira e você está dirigindo em direção à sua casa.
Você sintoniza o rádio. O noticiário está falando de coisas de pouca importância.
Você ouve que numa cidadezinha distante morreram 3 pessoas de uma gripe, até então, totalmente desconhecida. Não presta muita atenção ao tal acontecimento e esquece assunto.
Na segunda-feira, quando acorda, escuta que já não são 3, mas 30.000, as pessoas mortas pela tal gripe, nas colinas remotas da Índia. Um grupo do Controle de Doenças dos EUA foi investigar o caso. Na terça-feira, já é a notícia mais importante, ocupando a primeira página de todos os jornais, pois já não é só ! na Índia, mas também no Paquistão, Irã e Afeganistão. Enfim, a notícia se espalha pelo mundo.
Estão chamando a doença de "Lá Influenza Misteriosa", e todos se perguntam:
Que faremos para controlá-la?
Então, uma notícia surpreende a todos: A Europa fecha suas fronteiras. A França não recebe mais vôos da Índia, nem de outros países dos quais se tenham comentado de casos da tal doença.
Por causa do fechamento das fronteiras, você está ligado em todos os meios de comunicação, para manter-se informado da situação e, de repente, ouve que uma mulher declarou que num dos hospitais da França, um homem está morrendo por causa da tal "Influenza Misteriosa".
Começa o pânico na Europa. As informações dizem que, quando você contrai o vírus, é questão de uma semana de vida. Em seguida, as pessoas têm 4 dias de sintomas horríveis e morrem. A Inglaterra
também fecha suas fronteiras, mas já é tarde. No dia seguinte, o presidente dos EUA fecha também suas fronteiras para Europa e Ásia, para evitar a entrada do vírus no país, até que encontrem a cura.
No dia seguinte, as pessoas começam a se reunir nas igrejas, em oração pela descoberta da cura, quando, de repente, entra alguém na igreja, aos gritos:
" Liguem o rádio! Liguem o rádio! Duas mulheres morreram em Nova York!".
Em questão de horas, parece que a coisa invadiu o mundo inteiro. Os cientistas continuam trabalhando na descoberta de um antídoto, mas nada funciona.
De repente, vem a notícia esperada: conseguiram decifrar o código de DNA do vírus. É possível fabricar o antídoto!
É preciso, para isso, conseguir sangue de alguém que não tenha sido infectado pelo vírus.
Corre por todo o mundo, a notícia de que as pessoas devem ir aos hospitais fazer análise de seu sangue e doar para a fabricação do antídoto. Você vai de voluntário com toda sua família, untamente com alguns vizinhos, perguntando-se, o que acontecerá.
Será este o final do mundo? De repente, o médico sai gritando um nome que leu em seu caderno. O menor dos seus filhos está ao seu lado, se agarra na sua jaqueta, e lhe diz: Pai? Esse é meu nome!
E antes que você possa raciocinar, estão levando seu filho, e você grita:
"Esperem!"
E eles respondem:
"Tudo está bem!O sangue dele está limpo, e é sangue puro.
Achamos que ele tem o sangue que precisamos para o antídoto."
Depois de 5 longos minutos, saem os médicos chorando e rindo ao mesmo tempo.
E é a primeira vez que você vê alguém rindo em uma semana.
O médico mais velho se aproxima de você e diz: "Obrigado, senhor!". O sangue de seu filho é perfeito, está limpo e puro, o antídoto finalmente poderá ser fabricado."
A notícia se espalha por todos os lados. As pessoas estão orando e rindo de felicidade. Nisso, o médico se aproxima de você e de sua esposa, e diz: -"Posso falar-lhes um momento? Não sabíamos que o doador seria uma criança e precisamos que o senhor assine uma autorização para usarmos o sangue de seu filho." Quando você está lendo, percebe que não colocaram a quantidade de sangue que vão usar, e pergunta: "Mas, qual a quantidade de sangue que vão usar?"
O sorriso do médico desaparece e ele responde:
– "Não pensávamos que fosse uma criança. Não". estávamos preparados… Precisamos de todo o sangue de seu filho…"
Você não pode acreditar no que ouve e trata de contestar:
-"Mas…mas…"
O médico insiste:
-"O senhor não compreende? Estamos falando da cura para o mundo inteiro! Por favor, assine! Nós precisamos e todo o sangue! Você, então, pergunta:
-"Mas vocês não podem fazer-lhe uma transfusão?"
E vem a resposta:
-"Se tivéssemos sangue puro, poderíamos. Assine! Por favor, assine!"
Em silêncio, e sem ao menos poder sentir a caneta na mão, você assina. Perguntam-lhe:
-"Quer ver seu filho agora?"
Ele caminha na direção da sala de emergência onde se encontra seu filho, que está sentado na cama, e ele diz:
-"Papai!? Mamãe!? O que está acontecendo?"
O pai segura na mão dele e fala:
-"Filho, sua mãe e eu lhe amamos muito e jamais permitiríamos que lhe acontecesse algo que não fosse necessário, você entende?"
O médico regressa e diz:
-"Sinto muito senhor, precisamos começar, gente do mundo inteiro está morrendo, o senhor pode sair?" Nisso, seu filho pergunta:
-"Papai? Mamãe? Por que vocês estão me abandonando?"
E na semana seguinte, quando fazem uma cerimônia para honrar
o seu filho, algumas pessoas ficam em casa dormindo, e outras não vêm, porque preferem fazer um passeio ou assistir um jogo de futebol na TV. E outras vêem, mas como se realmente não estivessem importando.
Aí você tem vontade de parar e gritar:
– MEU FILHO MORREU POR VOCÊS!!! NÃO SE IMPORTAM COM ISSO?
Talvez isso é o que DEUS nos quer dizer:
-MEU FILHO MORREU POR VOCÊS!!! NÃO
SABEM O QUANTO EU OS AMO?
É curioso como é simples para algumas pessoas debocharem de Deus, e dizer que não entendem como o mundo caminha de mal para pior. É curioso como acreditamos em tudo aquilo que lemos nos
jornais, mas questionamos as palavras de Deus. É curioso como todos querem ir para o Céu, mas nada fazem para merecê-lo. É curioso como as pessoas dizem em: "Eu creio em Deus!", mas com suas ações, mostram totalmente o contrário.
É curioso como você consegue enviar centenas de piadas através de um correio eletrônico, mas quando recebe uma mensagem a respeito de Deus, pensas duas vezes antes de compartilhá-la com os outros. É curioso como a luxúria, crua, vulgar e obscena, passa livremente através do espaço, mas a discussão pública de DEUS é suprimida nas escolas e locais de trabalho.
CURIOSO, NÃO É?
É curioso como me preocupo com o que as pessoas pensam de mim, mas não me preocupo com aquilo que DEUS possa pensar de mim. Depois de terminar de ler esta mensagem, se realmente sentir em seu coração que deve compartilha- lá, envie aos seus amigos.
Talvez eles estejam precisando, exatamente, de ler uma mensagem como esta.
Pensem nisso…

SOMENTE REPITA ESTA FRASE E VEJA COMO SE MOVE DEUS
Senhor, te amo e necessito de ti, entre em meu coração, perdoe os meus pecados e abençoe minha família, minha casa, minhas finanças e os meus amigos. Te recebo como único Senhor e Salvador da minha vida!! Em nome de Jesus, Amém!

 
Autor desconhecido

Saber Jogar

Vida, vida. Como tem gente que ve-la com tanto egoiso, pensa em viver por si, servindo-se, fartando-se, assim fica muito facil perder toda sua beleza. Muitas pessoas tem seus objetivos, e isso q importa, chegar lá, de qualquer maneira. Dependendo da maneira feita a vitoria perde todo o mérito e a honra e se torna uma vergonha, mas isso para quem se importa com os meios, mas muitas pessoas só se importam com os fins. Saber jogar, o jogo justo "Fair Play", o melhor de nossa vida é que podemos jogar nela, com todos a nossa a volta e não precisa ter perdedor, agente não faz ninguem perder, não vencemos ninguem. Podemos vencer ou perder mas tudo só depende de nós, de nada mais. E podemos vencer ainda mais, uma espécie de vitória dupla, quando ajudamos alguem a vencer também, vencemos a "derrota" e vencemos a derrota de outros fazendo mais vencedores.

Quando alguém não é o que poderia ser é o conhcido desperdicío.

confiáveis?…

Eu não me canso de ouvir as pessoas dizendo que Deus nos abandonou, que Ele deveria arrumar as coisas q estão tão ruin no mundo.
Seria facil né: errarmos e Ele sempre corrigisse.
Deus fez tudo no universo perfeito, nosso planeta e tudo que há nele. Ele nos deu o live arbitrio e nos confiou sua obra prima. Nos deixou responsável por tudo, tudo em nossas mãos inclusive nosso futuro.
Ele fez isso por que nos ama e confia em nós, confia que possamos fazer nosso futuro melhor.
Deus pode, mas não quer intervir. Ele confiou e continua confiando em nós. Se ele arrumar o que está ruim é como se Ele desitisse da gente, é como se Ele dissesse: "vamos lá, vou ter q arrumar tudo por que já o homem que eu criei é incompetente, Eu vou ter que fazer tudo". Mas não acho q essa seria a solução, apesar de tudo Ele continua a confiar em nós, vê nossos erros, as mortes e a destruição que causamos e fica triste, descepcionado, mas "graças a Deus" Deus é Deus, muito diferente de nós, em vez de pensar que algo tem q cair do céu para resolver nossos problemas por que não confiamos em nós mesmos, Ele continua a confiar, continua a acreditar em nós. Ele espera que aprendamos com nossos erros e que começamos a fazer nosso melhor já, sem pensar que seja tarde demais.
Devemos prestar atenção nesse sonho dEle e fazer nossa parte, já passou o tempo de ficar esperando e reclamando, agora é o tempo de agir, ou você acha q somos incompetentes demais para tomarmos conta de nós mesmos?…

antropologia na veia…

Me mandaram esse texto:
 
"SLOW DOWN … VALE A LEITURA, EMBORA ALGUNS JÁ CONHEÇAM….

Texto escrito por um brasileiro que vive na Europa:

Já vai para 16 anos que estou aqui na Volvo, uma empresa sueca.
Trabalhar com eles é uma convivência, no mínimo, interessante.
Qualquer projeto aqui demora 2 anos para se concretizar, mesmo que a idéia
seja brilhante e simples. É regra.

Então, nos processos globais, nós (brasileiros, americanos, australianos,
asiáticos) ficamos aflitos por resultados imediatos, uma ansiedade
generalizada. Porém, nosso senso de urgência não surte qualquer efeito
neste prazo.

Os suecos discutem, discutem, fazem "n" reuniões, ponderações. E
trabalham
num esquema bem mais "slow down". O pior é constatar que, no final, acaba
sempre dando certo no tempo deles com a maturidade da tecnologia e da
necessidade:
bem pouco se perde aqui.

E vejo assim:

1. O país é do tamanho de São Paulo;
2. O país tem 2 milhões de habitantes;
3. Sua maior cidade, Estocolmo, tem 500.000 habitantes (compare com
Curitiba, que tem 2 milhões);
4. Empresas de capital sueco: Volvo, Scania, Ericsson, Electrolux, ABB,
Nokia, Nobel Biocare.. Nada mal, não?
5. Para ter uma idéia, a Volvo fabrica os motores propulsores para os
foguetes da NASA.

Digo para os demais nestes nossos grupos globais: os suecos podem estar
errados, mas são eles que pagam muitos dos nossos salários.

Entretanto, vale salientar que não conheço um povo, como povo mesmo, que
tenha mais cultura coletiva do que eles.

Vou contar para vocês uma breve
história só para dar noção.

A primeira vez que fui para lá, em 90, um dos colegas suecos me pegava no
hotel toda manhã. Era setembro, frio, nevasca. Chegávamos cedo na
Volvo e
ele estacionava o carro bem longe da porta de entrada (são 2.000
funcionários de carro). No primeiro dia não disse nada, no segundo, no
terceiro… Depois, com um pouco mais de intimidade, numa manhã, perguntei:

"Você tem lugar demarcado para estacionar aqui? Notei que chegamos cedo, o
estacionamento vazio e você deixa o carro lá no final." Ele me respondeu
simples assim: "É que chegamos cedo, então temos tempo de caminhar – quem
chegar mais tarde já vai estar atrasado, melhor que fique mais perto da
porta. Você não acha?".

Olha a minha cara! Ainda bem que levei esta logo na primeira. Deu para
rever bastante os meus conceitos dali para frente . . .

Há um grande movimento na Europa hoje, chamado Slow Food. A Slow
Food
International Association – cujo símbolo é um caracol, tem sua base na
Itália (o site é muito interessante. Veja-o!). O que o movimento Slow Food
prega é que as pessoas devem comer e
beber devagar, saboreando os
alimentos, "curtindo" seu preparo, no convívio com a família, com amigos,
sem pressa e com qualidade.

A idéia é a de se contrapor ao espírito do Fast Food e o que ele representa
como estilo de vida em que o americano endeusificou.

A surpresa, porém, é que esse movimento do Slow Food está servindo de base
para um movimento mais amplo chamado Slow Europe como salientou a revista
Business Week numa edição européia.

A base de tudo está no questionamento da "pressa" e da "loucura" gerada
pela globalização, pelo apelo à "quantidade do ter" em contraposição à
qualidade de vida ou à "qualidade do ser".

Segundo a Business Week, os trabalhadores franceses, embora trabalhem menos
horas (35 horas por semana) são
mais produtivos que seus colegas americanos
ou ingleses.

E os alemães, que em muitas empresas instituíram uma semana de 28,8 horas
de trabalho, viram sua
produtividade crescer nada menos que 20%.

Essa chamada "slow atitude" está chamando a atenção até dos americanos,
apologistas do "Fast" (rápido) e do "Do it now" (faça já).

Portanto, essa "atitude sem-pressa" não significa fazer menos, nem ter
menor produtividade.

Significa, sim, fazer as coisas e trabalhar com mais "qualidade" e
"produtividade" com maior perfeição, atenção aos detalhes e com menos
"stress".

Significa retomar os valores da família, dos amigos, do tempo livre, do
lazer, das pequenas comunidades, do "local", presente e concreto em
contraposição ao "global" – indefinido e anônimo. Significa a retomada dos
valores essenciais do ser humano, dos pequenos prazeres do cotidiano, da
simplicidade de viver e conviver e até da
religião e da fé.

Significa um ambiente de trabalho menos coercitivo, mais alegre, mais
"leve" e, portanto, mais produtivos onde seres humanos, felizes, fazem
com
prazer, o que sabem fazer de melhor.

Gostaria que você pensasse um pouco sobre isso…

Será que os velhos ditados "Devagar se vai ao longe" ou ainda "A pressa é
inimiga da perfeição" não merecem novamente nossa atenção nestes tempos de
desenfreada loucura?

Será que nossas empresas não deveriam também pensar em programas sérios de
"qualidade sem-pressa" até para aumentar a produtividade e qualidade de
nossos produtos e serviços sem a necessária perda da "qualidade do ser"?

No filme "Perfume de Mulher", há uma cena inesquecível, em que um
personagem cego, vivido por Al Pacino, tira uma moça para dançar e ela
responde:

"Não posso, porque meu noivo vai chegar em poucos minutos." "Mas em um
momento se vive uma vida" –
responde ele, conduzindo-a num passo de tango.

E esta pequena cena é o momento mais bonito do filme.

Algumas pessoas vivem correndo atrás do tempo, mas parece
que só alcançam
quando morrem enfartados, ou algo assim.. Para outros, o tempo demora a
passar; ficam ansiosos com o futuro e se esquecem de viver o presente, que
é o único tempo que existe.

Tempo todo mundo tem, por igual! Ninguém tem mais nem menos que 24 horas
por dia. A diferença é o que cada um faz do seu tempo.

Precisamos saber aproveitar cada momento, porque, como disse John Lennon:
"A vida é aquilo que acontece enquanto fazemos planos para o futuro"…

E quer saber do melhor :

Parabéns por você ter lido até o final!

Muitos não lerão esta mensagem até o final, porque não podem "perder" o seu
tempo neste mundo globalizado. Pense e reflita, até que ponto vale a pena
deixar de curtir sua família. De ficar com a pessoa
amada, ir pescar no fim
de semana ou outras coisas… Poderá ser tarde demais! Saber aprender para
sobreviver… Repasse aos seus Amigos, se tiver
tempo…

A vida é um quebra-cabeças onde cada peça que se encaixa é uma pessoa que ascendeu na moral. (Ricardo Barros) "

 
Texto muito interessante. Se encaixa na idéia de trabalho como peso, como castigo, o pensamento europeu e americano.
Trabalhar menos horas para ser mais produtivo, pra ter mais qualidade.
Eu acredito q sempre devemos ter um tempo livre de qualidade, não só tempo livre mas tempo de trabalho com qualidade tambem.
Por exemplo não consigo imaginar os japoneses trabalhar 30 horas por semana, mas a sociedade japonesa vê o trabalho completamente diferetne de nós americanos e dos europeus. Para os japoneses o trabalho é um prazer, um orgulho.
Eu concordo mais com que Cafuncio disse uma vez: "Choose a job you love and you will never have to work for all your life" ou "escolha uma carreira que ame e nunca terá que trabalhar na vida".
 
 
 

Navegação de Posts