Wagner Pensa Hirata

Love and Bike Lifestyle

Arquivo para o mês “abril, 2011”

Feriado em São Paulo

É feriado, em nossa cidade só ficam seus amantes…
A gordura que sobra, ou seja, os parasitas habitantes

Não vive os dias​ anseiam o fim de semana o feriado

E como querem, esse é o dia mais que esperado

Quem sobrevive na cidade por dinheiro a deixa

Como se escapassem de uma rotina de queixas

Amo São Paulo, não a suporto

Vivo cada dia e com ela me importo…

Caminhando #1

É tolice esperar atitude nobres de pessoas comuns.
As pessoas comuns só agirão por seus próprios interesses e em beneficio próprio, só terão atitudes nobres por pressão social ou pela força da lei. O cavalheiro tem em seu cotidiano atitude nobres.

O Certo e o Errado – by Biker

“(…)
O episódio do motorista que atirou seu carro contra ciclistas em Porto Alegre me faz refletir no argumento da sua defesa para tal atitude. O quanto diversas vezes nós erramos de modo impulsivo e intuitivo aos nos sentirmos ameaçados, interagindo com o agressor com as mesmas ferramentas, ou seja, mais agressividade, e várias vezes de modo covardemente coletivo?
Não são raras as situações quando alguém que faz parte deste universo de duas rodas entra em seu carro e passa a agir da mesma forma que todos esses inconsequentes motoristas, desconsiderando o esporte que escolheu para praticar, colocando em risco o seu próximo, seja ele um ciclista ou um simples trabalhador que segue seu caminho de volta para casa com sua bicicleta.
É bem difícil determinar o que é certo ou errado, ainda mais por conta dos nossos pontos de vista, das nossas adaptações, dos nossos estímulos, mas podemos, de bicicleta, de carro ou a pé, buscar fazer o que nos traga realização e felicidade, sem desrespeitar e desconsiderar as verdades de cada um.”

ARAP, Ricardo. O Certo e o Errado. VO2 Max, São Paulo, #67, Abril de 2011, p.20.

Ninguém por Perto

Anos sofrendo sem ninguém por perto, ninguém para te salvar, sozinho é tão difícil.
Por dentro tudo parece que está mudando, sua crença seus valores, a dor aprece que diminui, mas ela acumula, por que está sozinho.
Uma pessoa bastaria, um amigo, alguém para dividir.
Ser egoísta, ser feliz sem se importar com os outros, mal tratar os outros por momentos de diversão, é isso que ensinam.
É tão difícil, mas não quero que isso continue. não quero que sofram também. Não quero vingança, não quero morte, só quero paz.
Me mostraram um caminho mas não o segui, como uma lição mal aprendida, eu quero uma revolução.
Não quero sofrimento, quero felicidade sadia, por que para ser feliz alguém precisa ser infeliz?…, que maneira egoísta de se satisfazer, tão difícil entender isso. Assim o amor se torna tão utópico…
Quem diria que tudo poderia acabar tão bem… Quem diria que poderia se aprender de uma forma tão errada… Obrigado verdadeiro professor…

Navegação de Posts