Wagner Pensa Hirata

Love and Bike Lifestyle

Arquivo para o mês “dezembro, 2013”

Egoísmo Autodestrutivo

Leo Tolsoi genialmente entendeu e afirma que a história da humanidade está dividida em três fases: a do homem selvagem; depois a do homem que segue a lei; e a atual, mas pouco realizada, a do homem do amor. François Varillon já com uma observação menos histórica, mas de forma semelhante: diz que há homens que se comportam selvagemente; outros respeitando a lei; e outros tentando atingir o amor, ou seja, tentam amar…

Mas o homem pouco percebe que o seu egoísmo é mortal a ele mesmo. A tentativa de viver a para si em busca da segurança e conforto absoluto para si é inegável: prejudica o outro e conseqüentemente prejudica a sim mesmo. Podemos ver isso na historia nas colonizações na escravidão e hoje com globalização, a um quer tirar o maior beneficio possível para si e para o seus, e isso é o que traz sangue e tristeza a muitos normalmente a uma maioria. Um exemplo atual é a indústria do luxo onde o ter é o ser; ou as relações entre os países onde a riqueza absoluta de uns é sustentada pela pobreza extrema de outros.

Imagem

Porém a nossa sociedade consumista e do “marketing”  tenta enfeitar tudo, e caímos como patinhos. Depois não entendemos a violência urbana e todos os nossos problemas sociais que são gerados por nós mesmos. E como é difícil assumirmos a culpa e fazermos algo.

Enquanto vivermos assim, fingindo ter vida, pensando em nós mesmos vamos viver e morrer com medo, por que no fundo sabemos para onde estamos caminhando.

Mas há esperança…?! um “sim” será um bom começo…

Anúncios

Amor, todo mundo merece, até você…

Vejo minha filha e sinto tão profundamente o quanto a amo, é algo inexplicável. Vejo crianças na rua, com seus pais ou não, imagino o potencial para amar que está em cada uma delas, sinto o profundo desejo e também impotência de protege-las. Ao mesmo tempo eu olho a minha volta e também vejo tudo o que fazemos e tudo o que faz com que apaguemos esse potencial de amar, mas nunca conseguiremos extinguir o amor completamente, ele é inerente a todos.
 
Algumas pessoas dizem que a “maldade” nasce com algumas pessoas, é genética, e que é algo que não pode ser mudado, o que não acredito, inerente ao ser humano é o amor. Porém eu li estudos que dizem que algumas crianças sofrem traumas tão grandes que afetam sua genética. Mas acredito que amando alguém também muda a sua genética, quem já passou por isso sabe que quando somos amados de uma forma profunda somos transformados, se permitimos.
 
Ontem ouvi no rádio que pessoas que sofrem traumas tem seus fluidos corporais modificados, e isso pode até afetar a ascendência marcando a vida de filhos e netos. Ou seja alguém que sofre um trauma grave poderá ter gerações de sua família influenciada por isso.
 
Mas acredito na mudança e no novo. Tudo de melhor ou pior que aconteceu pode ficar para traz, o “tudo está perdido” não existe.
A decisão de mudar cabe a nós, a todos  nós, em mudar a nossa história e a do próximo amando principalmente a quem o amor sempre foi negado. Se um dia entendermos isso não teremos vivido a toa, como Confucio disse.

Só temos que cuidar para “não perdermos a ternura”. Se não aceitarmos o amor temos que aceitar que somos derrotados, como diz no Vedas…

Navegação de Posts